Header

ARCTIC MONKEYS NO BRASIL – MELHORES MOMENTOS

Que o show foi ótimo todo mundo sabe, mas para fechar a semana bem, captamos os melhores momentos por aí e juntamos nesta matéria especial. 

Foto por Marcelo Brandt/G1

Foto por Marcelo Brandt/G1

Tanto em São Paulo, quanto no Rio de Janeiro, a fila para a entrada do show é a primeira coisa que chama atenção – já era grande desde as primeiras horas da manhã e acompanhada de tempo fechado, com muita chuva e muito vento.  Mas nada que chegou a intimidar ou abaixar as expectativas de quem estava esperando.

O local aberto e imenso da Arena Anhembi não tinha proteção contra o frio e a garoa, e se a preocupação era o chuvisco em SP, o calor e a sede dentro do ambiente fechado do HSBC era o problema no Rio.

Entretanto, como já é ritual de quem opta por ficar na grade – nossa equipe esteve presente nos dois shows e, claro, pegou grade em ambos – o importante é chegar bem cedo, ficar de pé, praticamente esquecer banheiro e quase não comer também. Só pensando adiante. E valeu muito a pena!

Foto por Felipe Panfili

Foto por Felipe Panfili

O espetáculo do The Hives impressiona e só aguça mais os ânimos. As apresentações do grupo no Brasil sempre levam consigo uma remessa de novos fãs graças a um vocalista carismático, elétrico, incansável em colocar o público para cima.

Pelle Almqvist é quase atípico, em São Paulo ele arrisca o tempo inteiro frases em português, até desistir certo momento, convencido de que a língua da Arena Anhembi era mesmo inglês naquela noite. No Rio de Janeiro, não dá para não lembrar da “Elisa”, menina que estava na Pista Premier e teve o celular pego da mão por Pelle, que além de tudo conversou com a pessoa do outro lado da linha.

Mas não é somente o vocalista que brilha no altar, os suecos são muito carismáticos como um todo e passam uma imbatível presença de palco, aumentando a nossa expectativa do que estava por vir.

E ARCTIC MONKEYS, FINALMENTE…!

Nada de briga. Não teve quem fosse mais animado que outro: mesmo porque, a quantidade de gente de outros estados não deixa ninguém dizer que o show foi de paulistanos ou cariocas.

Entretanto, é muito óbvio que o show no HSBC teve um gostinho especial pelo fato de ser o último show de uma turnê de mais de 150 shows mundo a fora, e nada mais do que justo termos uma banda mais animada. Segundamente que, o espaço fechado do HSBC Arena ajudou muito para um espetáculo visual e acústico; já no Anhembi, não somente os Monkeys, mas os Hives, tiveram problemas técnicos. Alex Turner pediu mais de uma vez “Sorry” rapidamente no microfone, e outras vezes solicitava auxilio da produção no fundo do palco durante e entre as apresentações.

Tumblr

Poxa, produção…

Setlist não mudou muito: tivemos ‘My Propeller’ em São Paulo e ‘Fireside’ no Rio de Janeiro, o que com certeza já garantiu um detalhe especial para cada um dos shows.

SETLISTS

Do I Wanna Know?
Snap Out of It
Arabella
Brianstorm
Don’t Sit Down ‘Cause I’ve Moved Your Chair
Dancing Shoes
Teddy Picker
Crying Lightning
No. 1 Party Anthem
Knee Socks
My Propeller
All My Own Stunts
I Bet You Look Good on the Dancefloor
Library Pictures
Why’d You Only Call Me When You’re High?
Fluorescent Adolescent
505

Encore:
One for the Road
I Wanna Be Yours
Mardy Bum (apenas um trecho e em versão semi-acústica)
R U Mine?

Do I Wanna Know?
Snap Out of It
Arabella
Brianstorm
Dancing Shoes
Don’t Sit Down ‘Cause I’ve Moved Your Chair
Teddy Picker
Crying Lightning
No. 1 Party Anthem
Knee Socks
Fireside
All My Own Stunts
I Bet You Look Good on the Dancefloor
Library Pictures
Why’d You Only Call Me When You’re High?
Fluorescent Adolescent
505

Encore:
One for the Road
I Wanna Be Yours
Mardy Bum (apenas um trecho e em versão semi-acústica)
R U Mine?

Nota: Último show da AM Tour

 

10 MOMENTOS DO MELHOR SHOW DA SUA VIDA

Podíamos ficar falando de cada música, e contando o quão perfeito eles estavam em cada execução, ou o quanto a plateia estava animada – mas decidimos fazer diferente e apontar os momentos exóticos de ambos os shows. Segue a lista:

  • 1. Arabella e Alex Turner

A coreografia é carimbada: Alex Turner completamente empolgado sobre a música da menina Arabella, que inclusive, em São Paulo, ele introduziu em português: “Vou te contar de uma menina chamada Arabella, baby…” e emenda um “…Pronunciation…”, que estava (quase) perfeita, vai.

No Rio de Janeiro não teve gracinhas no nosso idioma, mas teve Alex Turner se jogando no chão sim! Segura essa:

alexflorr1
alexfloor2

 

Alexfloor3

Fábio Tito/G1

floor4

Fábio Tito/G1

 

floor5

Fábio Tito/G1

 

  • 2. Knee Socks

 No Rio de Janeiro, Breana McDow, a namorada de Matt Helders que já participou de clipes ao lado dele (‘Evil Twin’, ‘Suck it And See’), se juntou à banda também! Na ‘Knee Socks’ ela subiu no palco e mandou ver na percussão. O casal é de shipar.

breanashow

Breana McDow / RJ 15.11

 

  • 3. Mardy Bum

Que muita gente esperava por esta canção não era surpresa, mas em São Paulo o coro por ela era muito mais alto e muito frequente. Alex ao pegar o violão aproximou-se da beirada do palco e perguntou o que estávamos pedindo, recebendo prontamente a resposta em alto som ‘Mardy Bum’. E diga-se de passagem,  o pessoal cantou muito em São Paulo! ‘505’ foi absolutamente maravilhoso. “What are you saying?”

O momento que o Alex pergunta o que estávamos pedindo… 😱 #AlexTurner #ArcticMonkeys #Ambr #AMTour #SaoPaulo #Brasil #Brazil

A post shared by Arctic Monkeys BR (@arcticmonkeys_br) on

  • 4. My Propeller

A música é muito conhecida pela sensualidade instrumental e uma letra bem intensa, mas acabou tirando toda a pose de badboy de Turner ao se deparar com a placa “Cook Me” que uma fã segurava. O recado rendeu uma olhada para Jamie Cook e um riso no meio da canção que foi filmado. Boa, Laura!

  • 5.  N. 1 Party Anthem

Este é o momento mais significativo, que tenha realmente marcou o show deles no Brasil. A canção ‘N. 1 Party Anthem’ não entra no repertório das mais agitadas, mas rendeu as fotografias mais lindas da turnê dos Monkeys. Por mobilização dos fãs, luzes das lanternas dos celulares foram ligadas no espaço fechado do HSBC Arena, transformando o ambiente em um céu estrelado embalado pela música. E não impressionou somente nós, Alex Turner chegou a brincar no meio da canção “You look so pretty it makes me wanna start an instagram account.” (Vocês estão tão lindos que me faz querer começar uma conta no Instagram).

Na boa? Só vendo.

n3
n4
n1

Alícia Verri

 

"you look so pretty, it makes me wanna start an instagram account" – Alex Turner at HSBC Arena, 14/11/15

A post shared by Mirelle (@mirelle_gampert) on

  • 6. Matt Helders

Mereceu destaque pelo suporte vocal extremamente bem colocado o show inteiro! Você pode não ter reparado nos diversos malabarismos ao brincar com as baquetas lá no fundo, mas com certeza percebeu que ele mandou beeeem demais em músicas como ‘Knee Socks’ e ‘One For The Road’, sempre muito presente. E além de tudo, o ser é o baterista, né, por favor… (killer drummer.)

Foto por Fabrício Vianna

Foto por Fabrício Vianna

 

  • 7. Jamie Cook

Lembra daquele Jamie Cook que não parou em Buenos Aires? Tivemos ele aqui no Brasil também.

Foto por Midiorama

Foto por Midiorama

 

  • 8. I Wanna Be Yours

A música chamou atenção pelo jogo de luzes, que ficou lindo em São Paulo, mas perfeito no Rio de Janeiro. Os globos posicionados nas laterais do palco fizeram o cenário parecer uma balada romântica, e sim, ao olhar para o lado presenciamos muitos beijos ao som da música.

Foto por Fabrício Vianna

 

  • 9. A Reviravolta de Nick O’Malley

Para quem está acostumado a ver o Nick O’Malley parado, ou praticamente se escondendo (como foi em SP): não o reconheceu na calça de zebra. No Encore do show do Rio de Janeiro, depois da passada rápida no backstage, nosso baixista retorna com uma calça bem diferente e uma empolgação fora da sua rotina, com direito a tocar o baixo ajoelhado (!) e sorrir para o público. Ainda que fosse muito difícil tirar os olhos de Alex Turner, quem reparou no Nick com certeza achou o máximo a interação nada comum do baixista.

nick e pants

Arrasou, cara.

  • 10. R U Mine?

“It’s time for us to leave now, Rio. The time has come. But I do have something that I really wanna ask you before we leave: R U MINE MOTHERFUCKERS!?” , precisa de tradução? Talvez a melhor versão da música que você já viu foi no Rio de Janeiro. Ao final dela, antes de partirem, Alex Turner não abandona o palco e puxa o refrão na sua voz levantando os fãs em gritos e aplausos, e não acaba, puxa mais uma vez o refrão final, e depois mais outra… Foi de tirar o fôlego. Turnê mundial com chave de ouro!

THAAANK YOU!

A turnê AM finalizou no Rio de Janeiro, e a banda se despediu com muitos agradecimentos e sem mais projetos no ar… A saudade ficou, deixando a gente com expectativas de novos trabalhos pelos próximos longos anos de vida que esperamos que a banda tenha! Obrigada Arctic Monkeys e a todos que dividiram este momento! (:

byeamera

Goodbye AM era

COMENTE!